Aquarela

Faz algum tempo eu disse em um post que ia começar a experimentar com aquarelas, por diversos motivos, vontade, influencia do cartunista Liniers, tfg….

Admito não ter me aventurado tanto assim, e também encontrei um monte de dificuldades.   Não é facil fazer uma aquarela.. A escolha do que desenhar veio ocasionalmente enquanto eu já estava com o pincel na mão… é tudo assim bem básico, bem desenho de criança..vou colocar aqui então algumas dessas brincadeiras.

E junto com isso, vou colocar um trecho de um livro, que eu gosto muito, e que mexe muito comigo sempre… e talvez ele até combine um pouco com o tom pessoal do post e dos desenhos. É do livro One Day. É triste, mas bonito, e em ingles.

“She philosophically noted dates as they came past in the revolution of the year; . . . her own birthday; and every other day individualized by incidents in which she had taken some share. She suddenly thought one afternoon, when looking in the glass at her fairness, that there was yet another date, of greater importance to her than those; that of her own death, when all these charms would have disappeared; a day which lay sly and unseen among all the other days of the year, giving no sign or sound when she annually passed over it; but not the less surely there. When was it?” Then Emma Mayhew dies, and everything that she thought or felt vanishes and is gone forever.

hasta la proxima! 

Anúncios

St Luke Peace Church

Ultimamente eu ando muito saudosa de muitas coisas. Sempre me impressiono como a rotina, a correria, as coisas que fazemos no dia a dia, nos afastam de sentimentos bons, de lembranças boas, ou daquilo que realmente temos vontade de fazer.

Eu percebo que meus dias ficam estranhos quando eu paro de escutar musicas que eu gosto muito, ou quando eu não tenho tempo pra abrir um livro (mesmo que seja harry potter) ou quando eu faço muitas coisas sem pensar e de repente me pergunto “calma, porque eu fiz isso mesmo?”. Talvez tenha muito a ver com a fase de trabalho intenso que eu estou, e ter voltado a participar do Teto (um teto para meu pais), quase não ir pra faculdade e ver pouco os amigos que antes eram de sempre.

E por isso eu decidi que hoje eu ia me esforçar pra lembrar do sentimento muito bom que eu tive em algum lugar em um determinado momento da minha vida.

Algum tempo atrás eu fui para o Reino Unido, e estar lá me causa um sentimento muito foda, é realmente a sensação de casa. Em Liverpool fica um dos lugares que eu mais gosto no mundo. É uma igreja chamada St. Luke que foi bombardeada na segunda guerra mundial, e ficou sem teto. Hoje ela continua sem teto, do jeito que ficou quando bombardearam, e são artistas que cuidam do espaço, la é um jardim cheio de coisas estranhas e diferentes, pinturas, mensagens, fontes, entulhos, e acima de tudo de mensagens de Paz. Os artistas dizem que a igreja permaneceu assim para ser um simbolo de paz. Não é muito lindo? Uma coisa que resultou de uma guerra que detonou o país virar símbolo de paz.

Entrar la pra mim é como fazer parar o tempo, não tem mais o som da rua, nem a algazarra das pessoas, tem muito verde, muito silencio e musica ao mesmo tempo. Dá pra escutar sua respiração. Poucos lugares urbanos tem esse poder hoje em dia, de fazer você ficar suspenso no tempo. Quando entrei la achei que se a paz fosse alguma coisa física, seria aquilo mesmo.

Tirei fotos quando estive lá. e colo elas aqui então.

St. Luke Church

St. Luke Church

 

Obrigada pela atenção e até mais! PAZ

Tirinhas, ilustrações.. e essas coisas

Oi Gente.

Normalmente não sou uma pessoa que adora tirinhas, desenhos, gibis e etc… mesmo quando era criança, nunca me aventurei além das aventuras da turma da mônica. Hoje, depois da FAU entrar na minha vida, eu gosto muito mais, mas assim curto mais pelos desenhos que pelo sentido da tirinha em si. Alguns companheiros do coletivo aqui acho que poderiam me dar uns petelecos na orelha por isso, porque sei que a maioria curte muuuito.

Hoje eu queria falar de um artista que eu gosto muito. Conheci ele por causa de música, do Kevin Johansen, que é um “cantautor” excelente, Argentino, e que faz musicas de tipos diferentes, uma grande mistura incrível e que ultimamente eu escuto quase todo dia. Infelizmente não é hoje que vou falar do Kevin. Vou falar do Liniers. Outro Argentino.

Em Madrid, quando fiz intercambio, estava lá eu feliz e contente cantante num show do Kevin, que tinha o show animado com um telão no fundo com desenhos feitos ao vivo duratne o show pelo cartunista Liniers. O desenho dele era de uma sensibilidade, de uma facilidade, e tão bonitos, cada musica que ele desenhava eu ficava mais apaixonada pelo trabalho dele. Fora a simpatia né.

Ele desenhava e parecia tão fácil desenhar que era impossível não pensar “putz, eu bem que poderia começar”. Bom, pensava isso porque me considero uma bela zero a esquerda de desenho. Mas hoje, nesse domingão sem graça resolvi me aventurar.. e estou aqui fazendo aquarelas em casa… um experimento que ainda não sei onde vai me levar. Se me levar a um lugar bom, prometo colocar aqui no meu próximo post os resultados.

 

Enquanto isso só queria deixar vocês com um pouco do trabalho do Liniers, esse piadista desenhista e um pouco cantor, que foi o primeiro cartunista a me impressionar… e que hoje eu adoro tanto. Beijocas e até a proxima!!

 

 

 

 

 

 

e claro o site dele www.porliniers.com/

 

Petra Blaisse

Ultimamente, acho que pelo tanto de tempo excessivo que tenho trabalhado e principalmente com a proximidade do tfg, eu tenho pensado muito no valor que a arquitetura tem para mim, e no geral na vida das pessoas. Fico pensando no que me faz gostar mais de um prédio que do outro, ou porque é que aquele lugar me traz felicidade, ou como é que alguns espaços funcionam.. E para mim é impressionante como a arquitetura pode acabar tendo um caráter pessoal.

Falando de espaços, tendo a gostar cada vez mais dos que são assim mesmo, bem pessoais, mesmo achando dificil definir o que deixa um espaço pessoal. Talvez seje quando você sente ali uma energia por trás, de que tem o “dedo” de alguma pessoa naquele espaço/ De alguma forma quando você chega num lugar assim, de alguma maneira você se contagia com essa energia, com a intenção que foi passada ali, pode ser frio, calor, pode ser triste, melancolico, feliz, animado, ou qualquer coisa que se queira…

Feita essa introdução eu resolvi postar aqui sobre uma arquiteta, designer, mas que vejo mais  como um artista de espaços, que consegue transformá-los de uma maneira muito bacana. Se chama Petra Blaisse, holandesa, assiti a uma palestra dela umas semanas atrás no Sesc Pompéia. Basicamente ela trabalha com texturas, na maioria das vezes traduzidas em cortinas (mas seus trabalhos são muito diversos). Na palestra ela falou sobre seu trabalho e vou passar aqui um parágrafo de anotação minha durante a palestra.

Seu trabalho é inspirado em estruturas, ela tem muitas fotos e desenhos da natureza que servem de inspiração. Estrutura traduzida em tecido, em cor, e em luz que passa e que fica, em claro e escuro, reflexos e transparências. As cortinas se movimentam, e por isso nunca sao olhadas e experimentadas da mesma maneira. Para cada trabalho uma pesquisa coerente, que utilize os materias disponiveis no local, ou que tenham relação com o lugar, isso principalmente em seus trabalhos de paisagismo. Faz instalações e intervenções permanentes.

Colocarei então para ilustrar  fotos de duas de suas intervenções. Primeiro a cortina feita em 1999 para o Hackney Empire Theater  em Londres, com um tipo de costura a mão que ela aprendeu no colégio quando era criança, que tem uma presença realmente impressionante no teatro. Em seguida o pavilhão que ela fez para Villa Manin Contemporary Art Center em 2005, um pavilhão que eram muitos guardachuvas, individuais, de um tecido transparente e refletor ao mesmo tempo, um efeito incrível, e nas palavras dela “you can see through, create your own space, you can move, and it reflects the sky and transform the space”.

Hackney Empire Theater | London

Hackney Empire Theater | London

Reflitutti | Villa Manin

Reflitutti | Villa Manin

o site dela esta aqui pra quem quiser ver mais : www.insideoutside.nl

até a próxima.