Reinventar a Emancipação Social

Como eu ando mergulhado, há um bom tempo, no TFG (Trabalho final de Graduação) achei justo que o primeiro post neste blog seja referente a um dos livros que considero mais interessante desse processo.

Na verdade o livro é o segundo volume de uma coleção chamada “Reinventar a Emancipação Social: Para Novos Manifestos” e chama-se “Produzir para viver – os caminhos da produção não capitalista”, organização de Boaventura de Souza Santos, professor da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra.

“Trata-se de um vasto conjunto de estudos em que se dá conta de como, em diferentes países, os grupos sociais subalternos se organizam para resistir à exclusão social produzida pela globalização neoliberal e o fazem em nome da aspiração por um mundo melhor que julgam possível e a que sentem ter direito”

Ainda não consegui ler os textos todos, apenas a introdução e o texto de João Marcos de Almeida Lopes “‘O dorso da cidade’: os sem-terra e a concepção de uma outra cidade”. O primeiro dá uma noção das alternativas de produção não capitalista e o segundo relata a luta de um assentamento de sem terras desde a ocupação de um latifúndio no interior do Paraná até a concepção e construção “de uma cidade alternativa no território onde se estabeleceram”.

Ler esses textos faz perceber o quanto estamos inseridos numa lógica de produção perversa, mas ao mesmo tempo aponta alternativas para isso, ainda que cheias de contradições e conflitos.

Vale a leitura.